Ventos da Mudança

Clique na imagem para ver e baixar o livro 

Ir. Marianne Dacy retrata o papel da Congregação nas relações judaico-cristãs da Austrália ao longo dos últimos 60 anos em seu livro de 32 páginas, intitulado: Winds of Change – the Contribution of the Sisters of Our Lady of Sion to Jewish/Christian Relations in Australia: 1960s – 2020+ (Ventos da Mudança: a Contribuição das Irmãs de Nossa Senhora de Sion às Relações Judaico-Cristãs na Austrália – 1960 a 2020 e anos vindouros — em tradução livre).

 

Eis abaixo o prefácio ao livro:

A compreensão progressiva de Sion sobre sua razão de ser no seio da Igreja Católica e o subsequente compromisso assumido pelas Irmãs relativamente ao diálogo judaico-cristão no mundo inteiro e, especialmente, na Austrália, resultaram de diversos fatores: reflexão sobre o sofrimento dos judeus na Europa durante a 2ª Guerra Mundial, escuta ativa das vozes proféticas na era pós-guerra e a coragem na tomada de decisões pela liderança da Congregação. As atrocidades da Shoá foram um catalisador para uma mudança radical de mentalidade na forma através da qual a Congregação interpretava sua vocação. De 1950 até a reformulação das Constituições em 1984, a Congregação, através dos Capítulos Gerais subsequentes, implementou mudanças radicais nas orações das Irmãs, nos ministérios apostólicos e, de fato, na interpretação de sua motivação existencial e, assim, transformou a orientação de toda a vida da Congregação.

O livro “Ventos da Mudança” reflete o cenário da Austrália e, como denota o título, captura a progressão realizada desde a ideia da conversão até o encontro com os judeus. Após 1962, após estudar em Jerusalém, Ir. Shirley Sedawie voltou à Austrália para fundar o Centro para Diálogo Judaico-Cristão. As atividades iniciais desempenhadas por esta irmã lhe permitiram fazer bastante contato com os judeus, e outras irmãs se juntaram a ela. Em 1967, Ir. Shirley tornou-se integrante da Comissão para Assuntos Católicos e Ecumênicos. Em 1970, uma casa foi comprada em Kew para o Centro, que recebeu o nome de “Shalom: Centre for Jewish/Christian Dialogue”. Em 1986, a sala de reunião da casa Shalom passou a ser utilizada mensalmente pelo Conselho de Cristãos e Judeus (fundado em 1985), pelo Grupo de Trabalho do Conselho das Igrejas de Victoria e do Grupo de Trabalho da Comissão de Assuntos Ecumênicos.

Em 1980, o trabalho de Sion foi expandido para Sydney e lá continuou até o início de 2017. Durante aquela época, foram fundados também o New South Wales Council of Christians and Jews e o Archive of Australian Judaica na Universidade de Sydney, e foi mantido um contato próximo com a comunidade judaica.

 

Sobre a autora

Ir. Marianne é a Secretária do Conselho Australiano de Cristãos e Judeus. Estudou na Hebrew University of Jerusalem e tem doutorado pela Universidade de Sydney, onde comandou o arquivo “Archive of Australian Judaica” por mais de 30 anos. Atualmente, Ir. Marianne continua a pesquisar o cristianismo e o judaísmo, além de atuar ativamente na promoção de encontros e aproximações entre judeus e cristãos.

 

Prêmio Luz Eterna 2020: rumo a novos horizontes

Ir. Celia Deutsch, vencedora do Prêmio Luz Eterna.
Clique na imagem para assistir ao evento de premiação.

 

Em uma comovente cerimônia virtual, Ir. Celia Deutsch foi homenageada como vencedora do prêmio Eternal Light (Luz Eterna) outorgado anualmente pelo Centro de Estudos Judaicos Católicos (CCJS) da Universidade St Leo na Flórida (EUA), em reconhecimento a seu trabalho nas relações judaico-cristãs.

Antes da cerimônia de premiação, Matthew Tapie, Diretor do CCJS, presidiu um simpósio sobre “As Irmãs de Nossa Senhora de Sion e Nostra Aetate“: Uma Velha História e seus Novos Horizontes”, com Ir. Celia como oradora em destaque.

 

As Irmãs de Sion e Nostra Aetate

Célia apresentou uma série de instantâneos verbais das contribuições da Congregação em relação à declaração Nostra Aetate sobre o diálogo inter-religioso nos anos 60 na Igreja, tanto antes como depois de sua promulgação.

Ela apresentou um relato interessante de como a jornada em direção à Nostra Aetate começou quando a Congregação foi fundada por Théodore Ratisbonne em 1847, e como os acontecimentos da Segunda Guerra Mundial chamaram a atenção para a necessidade de orientar mais intencionalmente essa jornada em direção ao encontro, relacionamento e amizade com pessoas de outras religiões.

Ela contou como as Irmãs de Sion, com calma e determinação, foram estratégicas em sua busca de consentimento para promover a aprovação do texto, que corria o risco de ser enterrado em várias etapas durante o Conselho trienal do Vaticano.

Ela explicou como as Irmãs foram pioneiras na implementação da Nostra Aetate imediatamente após o Conselho, abrindo centros de documentação e encontro sobre o tema judeu-cristão, onde judeus e cristãos de todo o mundo poderiam estudar, explorar novas perspectivas e encontrar-se uns com os outros.

E ela levou sua apresentação para o dia atual, enfatizando que as Irmãs de Sion são constantemente chamadas a serem mulheres de diálogo nesta jornada contínua e sem fim.

 

Os novos Horizontes da Nostra Aetate

Na segunda parte de sua intervenção, Célia apresentou um projeto dirigido pelas Irmãs de Sion que envolveu os outros três membros do painel: O rabino Dr. David Fox Sandmel (EUA), Dr. Julias Togarepi (Zimbábue) e Fr. Sylvester Kansimbi (Malauí).

O projeto levou Celia a Harare, Zimbábue, em 2017 e 2019, para sete semanas de ensino para seminaristas de sete países da África Austral, assim como para estudantes do curso de treinamento de pastoral leiga. Ela retornará em janeiro de 2022.

O projeto faz parte do ministério itinerante contínuo das Irmãs de Sion, que visa estender seu trabalho nos estudos bíblicos e judaicos, e o entendimento inter-religioso a países como Quênia, Congo, Malta, Zimbábue, México e Amazonas, no Brasil, onde a Congregação não tem presença permanente, e a demografia é tal que os cristãos têm pouca ou nenhuma oportunidade de conhecer uma pessoa judia.

Em 2019, o rabino Sandmel, diretor de engajamento inter-religioso da Liga Anti-Defamação, juntou-se a Ir. Celia para ensinar por dez dias, para deleite do pessoal e dos participantes.

Dr Julias Togarepi

Julias Togarepi, coordenadora da Faculdade de Teologia da Universidade Católica do Zimbábue, prestou homenagem a Ir. Célia chamando-a de “verdadeira embaixadora das relações inter-religiosas”, e apreciou a presença e o ensino do rabino Sandmel, que ele descreveu como “um ponto de esclarecimento”.

Julias disse que estava inspirado a intensificar seus esforços para a construção da paz através da colaboração inter-religiosa, e posteriormente planejou o primeiro encontro inter-religioso oficial na área, com representantes de seis religiões.

P Sylvester Kansimbi

O Padre Sylvester, sacerdote espiritual e membro do corpo docente do Colégio da Santíssima Trindade em Harare, falou com franqueza de como as Irmãs de Sion desencadearam a sua mudança pessoal de coração em relação às pessoas de outros credos.

Ele admitiu que no início havia alguma suspeita entre sua comunidade sobre as intenções da Congregação, porque as Irmãs estavam propondo um modo de ser tão diferente daquele que conheciam, mas no final, a nova compreensão que obtiveram através de um encontro com a Irmã Celia e o rabino Sandmel moveu-os “do negativismo para o positivismo”.

 

Tempo para fazer um balanço 

A experiência suscitou novas questões para todos e trouxe para fora tanto as diferenças quanto as semelhanças.

Célia foi desafiada a explorar como os conhecimentos que ganhou nas relações inter-religiosas através do trabalho realizado em sua vida no Norte Global podem ter sentido no contexto da África Austral, e como o encontro na África pode chamá-la -e às Irmãs de Sion- novamente para a conversão ao diálogo.

O rabino Sandmel também viu a necessidade de se afastar e pensar no contexto. No contexto do Zimbábue, a maioria das pessoas não tinha conhecimento da história judaica. Isto exigiu uma mudança no pensamento de David e uma adaptação de sua abordagem de ensino.

David contou como, pela primeira vez em anos de ensino, quando mostrou o tallit (xaile de oração judaico) para ilustrar o verso que estavam lendo, os estudantes queriam realmente prová-lo!

Tal é o “diálogo de experiência” na África Austral, onde, como comentou o Pe. Sylvester, uma atmosfera de fraternidade nasce através de atos simbólicos de partilha e encontro.

 

Um caminho de surpresas 

Uma pergunta do Prof. Philip Cunningham, ex-presidente do Conselho Internacional de Cristãos e Judeus, provocou algumas respostas muito profundas. Ele pediu aos membros do painel que compartilhassem a coisa mais surpreendente que aprenderam em seu encontro uns com os outros.

Ir. Celia ficou surpresa e comovida com o quanto se sentia em casa em Harare, por causa da acolhida que recebeu das pessoas do Trinity College. “Eu esperava que as pessoas fossem educadas e amigáveis”, disse ela, “mas não esperava que fizessem parte da família”. Este sentimento de unidade foi compartilhado quando o Pe. Sylvester expressou seu agradecimento, mas também seu orgulho, em Ir. Celia.

O rabino Sandmel ficou surpreso com as reações do povo de Harare ao modelo de colaboração judaico-cristã que eles presenciaram. Disseram que ele havia esclarecido sua compreensão de si mesmos dentro de seu próprio contexto e lhes deu um léxico para articulá-lo.

Rabino Dr David Fox Sandmel

 

 

 

“Modelar o diálogo aconteceu espontaneamente.”

 

 

 

Para Julias e Sylvester, a transformação da judaicidade, de uma idéia distante e abstrata para uma pessoa viva e respirável, no aqui e agora, foi um abre-olhos. Para o Pe. Sylvester, foi uma revelação conhecer realmente uma pessoa judia e descobrir: “eles são exatamente como nós”!

 

 

Jornada sem fim

Looking to the future of the never-ending journey to dialogue, Celia confessed that questions have arisen that are so new that she doesn’t yet know how to articulate them.

Olhando para o futuro da jornada sem fim para o diálogo, Célia confessou que surgiram questões tão novas que ela ainda não é capaz de articulá-las.

“Há algo novo que se abre”, disse ela. E embora admita que é “um pouco assustador”, ela reconhece que é um dom, e não tem dúvidas sobre o desafio que está por vir: “O desafio é nunca parar, ir sempre para a frente, novamente, em direção de outro encontro”.

 

 

 

“Há algo novo que se abre.”

 

 

 

Celia está atualmente trabalhando na elaboração de um comentário sobre o Evangelho de Mateus, que deverá ser publicado como parte da Série de Comentários de Sabedoria (Liturgical Press).

 

 

O prêmio foi entregue pelo rabino A. James Rudin, co-fundador da CCJS e pelo Dr. Jeffrey Senese, Presidente da Universidade St Leo – a maior Universidade Beneditina do mundo.

 

Assista ao evento de premiação

 

 

site by airgid